Blog do TaQ

Eu assisti Watchmen

Publicado em Comics

Smile

Disclaimer: Se você não leu a obra original em quadrinhos, podem haver alguns spoilers no texto, deixe para ler isso somente após assistir o filme.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ok? Então vamos lá.

Ontem eu assisti Watchmen, na segunda sessão que havia no dia de estréia (só não fui na primeira pois estava esperando um cliente - que me deu "bolo", sacanagem), e devo dizer que estava apreensivo. A representatividade que essa obra nos quadrinhos é enorme. Como muitos bem dizem por aí, talvez apenas "O Cavaleiro das Trevas" esteja em nível parecido, apesar que particularmente eu colocaria algumas outras, como "V de Vingança", que também foi escrita por Alan Moore, no mesmo nível. O diretor Zack Snyder já tinha nos dado provas que era competente em relação à adaptação de HQs, mas Watchmen era uma prova de fogo.

Por tudo isso, essa crítica do filme parte de alguém que, como vocês podem ver, tem conhecimento da obra, e digo mais, cresceu com algumas das coisas de Watchmen na cabeça, pois foram enfiadas lá em um momento onde a maioria de nós tem é muita minhoca lá (na épocaq eu tinha 17 anos) e as reflexões produzidas continuaram a ecoar por muitos e muitos anos depois. Vai ser interessante ler a crítica de alguém que não leu a obra, pois vai dar para ver se muitas das surpresas escondidas durante o filme não ficam muito aparentes, como bem no começo onde quem leu sabe bem o que está acontecendo.

Falando no começo, na HQ ele é composto de algumas sequências simultâneas de eventos, que o diretor conseguiu separar numa boa e que faz muito bem durante o decorrer do filme. Os flashbacks que aparecem são inseridos com maestria. Os mais puristas talvez vão dizer que ficou diferente da HQ, mas peraí, como o próprio Moore falou da adaptação do The Spirit, é impossível refletir exatamente na tela o que foi desenhado na HQ, nem tanto visualmente, mas pelas sequências visuais às quais os quadrinhos nos levam. E concordo com Moore: The Spirit pelo que eu vi, ficou com um visual fodástico (mas que lembra e muito Sin City) mas tudo o que eles fizerem ali não vai ser nem de perto comparável à ler uma HQ dele produzida pelas mãos de Will Eisner.

Outra comparação pode ser feita na voz do Rorschach: é o Batman, poxa vida! Tudo bem que ambos compartilham algo em suas sinas justiceiras, mas ficou muito igual. Eu pelo menos imaginava uma voz um pouco menos grave e soturna, talvez até meio esganiçada. Algo mais, sei lá, "orgânico". Nesse ponto entra a experiência sonora que o cinema nos dá, especialmente com a trilha sonora incidental ou regada à diversos clássicos escolhidos à dedo pelo diretor, que na maioria das vezes, funcionam muito bem, apenas uma ou outra música eu achei um pouco deslocada.

Muitos dos elementos da HQ estão no filme de maneira perfeita. Acabei de (re)ver aqui na HQ o cartaz que fica no lado de fora da oficina de consertos de carros antigos, e é idêntico. Os uniformes, as fotos, tudo foi muito bem cuidado. Os personagens, digamos, "normais", sem uniforme, também foram muito bem caracterizados. Vale destacar a semelhança assombrosa que eu particularmente notei entre o Coruja (o mais recente) e o Batman de Adam West. Não, não tem "soc, paf, bum", mas o bom-mocismo em grande parte do tempo, especialmente quando ele diz algo como "cidadãos, estamos aqui para garantir a ordem" ou coisa do tipo, o típico "bom moço". Desconto louvável se dá enquanto ele briga e produz algumas fraturas expostas nos adversários.

Muitas cenas foram totalmente cortadas ou alteradas, mas dá-se um desconto para o diretor: o filme tem 2 horas e 43 minutos, com as outras cenas (que devem sair em DVD) iria para mais de 3 horas, mas todos os pontos chaves estão lá. Os "extras" da HQ, como os trechos de "Sob o Capuz", o livro escrito por Hollis Mason, o primeiro Coruja, os Contos do Cargueiro Negro e os "artigos de jornais", são perdidos no filme, apesar que Os Contos vão sair em forma de animação no DVD, com dublagem do Gerard "This-is-Sparta!" Butler. Quem puder ler a HQ com certeza vai adorar esses extras e vai entender, por exemplo, que raio de bicho que a Bubastis, o felino que aparece com o Ozymandias, é (tá, eu conto: é um lince alterado geneticamente).

Algumas liberdades criativas estão presentes no mesmo teor que algumas das cenas mais fortes que eu achei que talvez seriam cortadas ou alteradas. O diretor usou e abusou do Dr. Manhattan peladão durante o filme e fez a cena que o Rorschach vai atrás da garotinha raptada mais violenta e explícita ainda de como foi apresentada nos quadrinhos. É a cena mais forte do filme, em minha opinião.

Outra liberdade criativa foi o fato de que o Dr. Manhattan não fica peladão durante tanto tempo na HQ como fica no filme. No filme há muito nu frontal dele, ou seja, tomem cuidado em assistir depois em DVD perto de crianças pois além de aparecer a "coisa azul", o diretor exagerou um pouco no tamanho, ainda mais com o treco "desativado". Apesar que, se alguém aí fosse um cara com os poderes do Manhattan e vivesse pelado por aí, não iria se reconstituir com um treco, digamos, de pequeno porte né. Iria ser ruim para o marketing. Ah, o símbolo na testa dele é o modelo de um átomo de hidrogênio.

Outra coisa em que o filme foi inovador foi ter a primeira cena de super-heróis transando, peladões. Tem coisas que demora, mas a gente vê.

Eu achava que o jornaleiro tinha que ter mais participação no filme. No filme ele não fala nada e na HQ ele tem alguns diálogos que acho que funcionam muito bem como uma "cola" de várias coisas que vão se desenrolando durante a história. Pena, mas como mencionei anteriormente, ia ficar um filme enorme se tudo fosse filmado, por isso recomendo enfaticamente a leitura da HQ.

No final das contas, achei um bom filme e uma ótima adaptação dos quadrinhos. Talvez ele não seja ótimo do ponto de vista de um filme que espera ter um bom retorno e com certeza não um filme para todos. É diferente de um "Dark Knight" pelo nível de ação com certeza, mas as qualidades do filme não se encontram na pancadaria e talvez não agradem bastante gente que foi assistir achando que ia encontrar algo do tipo. Ontem na sessão teve uma moça que foi embora na metade do filme, antes mesmo da parte mais centrada no Rorschach! Torço para que dê um bom retorno (ele custou US$ 100 milhões) para que continuem fazendo adaptações direito.

O filme se desenrola em um ritmo morno mas que não fica maçante, e vai ser interessante acompanhar as críticas de quem não havia lido a HQ. Para nós que lemos, é um bom filme que não tem o mesmo impacto da HQ por já conhecermos a história e ficarmos sempre com aquele gostinho de "faltou alguma coisa". Mas que filme pode conseguir isso, não é mesmo, em duas formas tão distintas de arte?

Assistam, vale a pena. Agora estou indo lá na livraria comprar a minha Watchmen - Edição Definitiva. :-)


Tags:


Comentários

comments powered by Disqus

Twitter