Blog do TaQ

Aproveitando a inércia

Publicado em GNU/Linux

Tux detonando m$

""Todo corpo permanece em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em linha reta, a menos que seja obrigado a mudar seu estado por forças impressas a ele."
Princípio da inércia, primeira lei de Newton

Essa lei tem tudo a ver com o que eu li no blog do Sérgio Lima esses dias e no que eu pensei sobre o assunto. No blog do Sérgio há um post propondo boicote à Dell por causa das suas políticas de exportação. Segundo o autor do processo, um dos problemas é a seguinte cláusula, mencionada no site do autor do protesto:

Não transferiremos, exportaremos, ou re-exportaremos, direta ou indiretamente, quaisquer produtos adquiridos da Dell para: Cuba, Irã, Coréia do Norte, Sudão, e/ou Síria, ou a qualquer estrangeiro com dupla nacionalidade, ou a qualquer outro país sujeito a restrições sob leis e regulamentos aplicáveis onde não estejamos situados, sob o controle de um indivíduo natural ou residente deste país.

Isso virou notícia em tudo quanto é lugar (mais aqui) e eu estava pensando aqui com os meus botões ... no caso de hardware, é fácil trocar para algum outro fornecedor, temos entre outras opções a HP, Lenovo, a Brasileira Positivo e até aquele "um lá de baixo", mas e no caso do software? Mandei um email ontem para o Sérgio e o Thadeu perguntando qual o sistema operacional mais utilizado pelos físicos nos hardwares que compram. Eles não me responderam ainda, mas me permitam chutar qual deve ser.

Como dei um chute ali em cima, a resposta depende de uma confirmação, que nos leva a duas opções:

Eu acertei

Nesse caso, vamos pensar assim: se há agora um protesto por causa do hardware, onde mostrei alguns outros fornecedores acima, o que dizer do Software, principalmente se verificarmos condições idênticas na EULA:

12. EXPORT RESTRICTIONS. You acknowledge that the Software is subject to U.S. export jurisdiction. You agree to comply with all applicable international and national laws that apply to the Software, including the U.S. Export Administration Regulations, as well as end-user, end-use, and destination restrictions issued by U.S. and other governments. For additional information see http://www.microsoft.com/exporting/.

E, verificando a URL sobre exportação:

Are there certain countries you cannot ship Microsoft products to? Yes. In general, Microsoft products may not be exported to Cuba, Iran, North Korea, Sudan, or Syria.

Nesse caso, para manter a coerência do protesto, deveriam parar de utilizar os softwares da Microsoft, fazerem boicotes também para eles e começarem a utilizar soluções genuinamente livres. Ou não é conveniente fazer isso por causa daquela velha questão de os softwares que eles utilizam só rodam nessa plataforma? Se for isso, boicote aos fabricantes desses softwares que continuam perpetuando esta "ingerência estadunidense a liberdade dos povos", usando os termos do Sérgio. Vejam que além de uma crítica ao fato deles falarem somente do hardware, eu vejo uma grande chance de divulgação de software multiplataforma (se for livre, melhor!) pelo tamanho da mobilização e destaque que eles conseguiram com esse protesto. Nesse caso peço que por favor aproveitem a "aceleração" que se encontram e "emendem" essa questão também.

Eu errei

Como diria o David Heinemeier Hansson, "ooooops", foi mal, a maioria da turminha ali usa Software Livre e não os softwares da Microsoft, beleza. Que tal usar então essa questão também para esclarecer essas liberdades do software na mesma questão do hardware, fazendo uma analogia? Em minha opinião eu vi que essa foi uma chance muito boa e que foi perdida ali e que daria mais consistência e mais informação para a coisa.

Mas aí eu entro em outra questão: se essa turma utiliza Software Livre em seus hardwares, se são tão a favor do Software Livre, como diz Cuba com "é um problema de soberania tecnológica, um problema de ideologia", e se são tão contra as leis dos Estados Unidos, por que diabos Cuba e a Venezuela votaram a favor do OOXML? Onde que está a coerência aqui também? Todo mundo faz barulho mas na hora H a coisa muda, estranho não?

Resumindo, eu acho que é válido o protesto contra a Dell? Sim, estão no direito deles, mas eu acredito que a Dell Brasileira, como uma empresa de matriz nos Estados Unidos, é obrigada a seguir as regras dos "chefes" e estão no direito deles também. Se isso precisa ser mudado pois fere a soberania nacional, ótimo, o protesto está aí para chamar a atenção em relação à essa questão e, por que não, do Software Livre também. Mas se a grande maioria dessa turma utilizar softwares da Microsoft em seus hardwares "sei-lá-de-quem-foi-comprado", isso para mim tira a consistência do protesto e pode ser utilizado como uma argumentação vazia, assim como foi apontado em uma das opções indicadas nesse post, afinal, se incomoda também em uma coisa como o hardware, que pode ser trocada facilmente por outras tantas opções, o que dizer do software que vive trancafiado no monopólio que a gente já conhece?


Tags:


Comentários

comments powered by Disqus

Twitter