Blog do TaQ

Ubuntu no computador da minha sobrinha

Publicado em GNU/Linux

Sexta passada eu comprei um computador para a minha sobrinha. Não, não estou com muito dinheiro sobrando não, meu pai quem pagou ehehe. Mas eu dei uma pesquisada e comprei o dito cujo. Uma maquininha boa, 512 Mb de RAM, 80 Gb de disco, etc, comprada numa loja de uns conhecidos aqui da cidade, e que é parte lá do programa Computador para Todos.

A primeira coisa que achei legal é que ela vem com GNU/Linux instalada, a distro MetaSys Desktop, que parece que é baseada no Fedora, e a primeira que eu achei chata foi que perguntando para a mocinha da loja onde estava o CD de instalação da distro no caso de eu fazer alguma "arte" fuçando no sistema, ela me disse que eu teria que comprar (!!!) o CD da MetaSys, mas que teria desconto pois já adquiria uma licença de uso com o computador.

Apesar do CD ser barato e a turma da MetaSys ter que ganhar o dinheiro deles, eu resolvi fazer um boot no computador com um CD do Ubuntu para ver o que virava. Aparentemente tudo foi reconhecido de boa, inclusive em um lspci o modem estava lá presente na lista, mas não era reconhecido pelo sistema.

Com isso em mente foi aquela dúvida: a distro já estava toda redondinha com tudo funcionando, mas ter que pedir o CD depois realmente me deixou meio com o pé atrás. Acredito que eles poderiam pelo menos dar o CD com o sistema que estava na máquina, oras. E resolvi instalar o Ubuntu.

Logo após a instalação padrão do sistema, fui resolver o problema do modem. Achei um tutorial que me ajudou muito (obrigado, Alarcon!), e mesmo tendo a URL para o a versão Dapper, eu como bom usuário de Slackware quis ver como esse bicho funcionava e fiz download dos fontes, compilei e criei um script para configurar. :-)

Basicamente o que o alarcon diz nessa mensagem, inclusive usei o mknod e tudo o mais. E o bichinho ficou perfeito, conectou de boa. Uma coisa que deu um pouco de trabalho foi que quando ele ia conectar e fazer a autenticação, não tinha permissão nos arquivos do /etc/ppp/, mas nada que um chmod não resolva. ;-)

Aí com o computador totalmente configurado, atualizado até o talo depois que eu liguei ele na minha ADSL e o Ubuntu já detectou e fez download de todas as atualizações, transformei o dito cujo em um "computador do RBD", para delírio da minha sobrinha (ei, gente, ela tem 7 anos, dá-se um desconto), e instalei mais alguns joguinhos e coisas do tipo.

Detalhe: ela só usava o computador da minha tia, que roda Windows XP. Esse foi o primeiro computador dela. Fiquei curioso como ela ia ver aquele "sistema diferente" lá, mas vou te falar ... que sossego viu. Mostrei a ela como efetuar o login no sistema, mostrei as pastinhas, como alterar o papel de parede. Mostrei uma pendrive e disse que haviam arquivos ali para serem copiados para o computador. Pluguei a dita cuja na USB e pronto, olha o ícone lá na tela e a pastinha da pendrive aberta, foi só arrastar para uma das pastas do desktop.

Aí peguei minha câmera digital e tirei uma foto da molecada que ficou amontoada em cima do "computador rebelde". Mostrei que plugando a câmera na USB, as fotos já apareceriam e era só copiar para o computador. Aproveitei e mostrei que, se ela quisesse gravar as fotos para as amiguinhas, era só inserir um CD virgem no drive que o Ubuntu já pergunta "você inseriu um CD virgem, quer gravar um CD de áudio ou de dados" e era só escolher dados, arrastar os arquivos para a pastinha do CD virgem que foi aberta, e clicar em gravar. Nada mais fácil que isso.

Logo depois de gravado o CD, retirei-o do drive e inseri novamente. Automaticamente o ícone do CD já apareceu no desktop e os arquivos gravados foram mostrados.

Nesse meio tempo, eu fiquei tentando explicar para a minha tia como fazer para instalar o BROffice no computador dela. Eu havia gravado o arquivo em um CD, mas não consegui nem a pau fazer ela entender que tinha que inserir o CD, clicar em "Meu Computador", achar o drive na lista, e clicar duas vezes no único arquivo que estava lá. Se fosse no Ubuntu, o ícone ia aparecer automaticamente. E se estivesse conectado com banda larga, nada que um apt-get não resolva. Não sei se ela que é meia devagar com essas coisas por ser uma usuária de primeira viagem com computadores também ou se o Ubuntu é muito mais fácil que o Windows. ;-)

E hoje leio que os usuários do Computador para Todos trocam GNU/Linux por Windows. Será que é preguiça ou má-vontade mesmo do povo? Tá, tá, eu sei que é diferente do que eles costumam usar, mas será que não compensa perder uns dias vendo que o se ganha com o sistema novo? Ou será que eu sou suspeito de falar pois funcionou tudo uma maravilha com a minha sobrinha? Será que é a distro que eles receberam? Que será?

Só sei de duas coisas: uma que o Ubuntu deu uma lavada no Windows XP. Outra que eu continuo usando Slackware mesmo assim. :-)


Tags:


Comentários

comments powered by Disqus

Twitter